Publicado 26/04/2019 - 11h43 - Atualizado 26/04/2019 - 11h43

Por Da Agência Anhanguera

O pernambucano Tunga ajudou a levar arte brasileira ao mundo

Divulgação

O pernambucano Tunga ajudou a levar arte brasileira ao mundo

O escritor e editor Miguel De Almeida dirigiu o documentário Tunga, o Esquecimento das Paixões, sobre o artista plástico brasileiro que conquistou o mundo. O filme chega aos cinemas no dia 9 de maio. Antonio José de Barros Carvalho e Mello Mourão, o Tunga, nasceu em Pernambuco e estudou arquitetura e urbanismo no Rio, onde desenvolveu sua carreira nas artes plásticas iniciada na década de 70.
Filho do poeta e jornalista Gerardo de Mello Mourão e de Léa Barros, uma das mulheres que posou para o quadro As Gêmeas, de Guignard, Tunga investigou literatura, filosofia, psicanálise, teatro, cinema e ciências exatas e biológicas para realizar seu trabalho. Desenhista, escultor e artista performático, Tunga é considerado um dos criadores brasileiros mais representativos da arte contemporânea.
E é por meio das múltiplas ações criativas desse artista e da atuação poética e política de seu pai, que o diretor Miguel De Almeida se serve para contar as relações das principais ideias entre política e arte a partir da década de 70. É o momento no qual as propostas estéticas/políticas enxergam o Brasil não mais como em busca de sua identidade, mas como parte integrante do mundo. Passa a discutir questões identificadas com a humanidade e com o homem; deixa de querer ser regional para se tornar internacional.
O filme usa a trajetória de Tunga, e de seus companheiros de viagem, como os artistas Miguel Rio Branco e Cildo Meireles, e o criador de Inhotim, Bernardo Paz, para registrar o reconhecimento internacional das obras artísticas forjadas no Brasil dentro de um caráter internacionalista. Não à toa o filme se inicia com a mostra de Tunga na Pirâmide do Museu Louvre, em Paris, até agora o único artista contemporâneo do mundo a ocupar aquele espaço.
Com depoimentos de Miguel Rio Branco, Paulo Sergio Duarte, Cildo Meireles, Bernardo Paz, Murilo Salles, Fernando Sant'Anna, Arthur Omar, Cosmo Tomé da Silva, Leonardo Gomes Guimarães e Zé Mario Pereira, o filme traz um mergulho na melhor ação criativa, responsável hoje pelo reconhecimento do artista como um dos mais expressivos da arte contemporânea mundial.

Escrito por:

Da Agência Anhanguera