Publicado 25/04/2019 - 15h32 - Atualizado 25/04/2019 - 15h32

Por France Presse

Ator Rami Malek, que venceu o Oscar 2019

Divulgação

Ator Rami Malek, que venceu o Oscar 2019

 O ator Rami Malek, que venceu o Oscar 2019 por interpretar o astro Freddie Mercury em "Bohemian Rhapsody", está no elenco no novo filme de James Bond, anunciou o diretor Cary Fukunaga nesta quinta-feira.
"Eu prometo a todos que vou me certificar de que o sr. Bond não tenha uma vida fácil dessa vez", brincou Malek em uma mensagem em vídeo divulgada durante o anúncio do elenco do filme, dando a entender que é o novo vilão que enfrentará o agente protagonizado por Daniel Craig.
O ator Ralph Fiennes e as atrizes francesa Léa Seydoux e a Ana De Armas são outros nomes escalados.
Este 25o. capítulo da série 007, cuja estreia está programada, segundo a imprensa, para abril de 2020, ainda não tem título e foi anunciado pelos os produtores em um evento organizado pelos estúdios da Universal e retransmitido online da Jamaica.
Além de Malek e Ana de Armas, que em 2017 apareceu em "Blade Runner 2049", o filme contará com o retorno de Léa Seydoux, que trabalhou na edição anterior, "Spectre" (2015), dando vida à dra. Madeleine Swann.
Fiennes volta a interpretar o chefe dos serviços de inteligência "M", Ben Whishaw vai encarnar o engenhoso "Q", Jeffrey Wright reprisará o papel do agente da CIA que ajudou 007 em "Quantum of Solace" e Naomie Harris será Moneypenny.
Algumas cenas já foram rodadas na Noruega, informou Fukunaga, e na Jamaica, a ilha onde o escritor Inglês Ian Fleming criou seu personagem na década de 1950 e onde o primeiro filme "Dr. No" foi feito (1962 ).
Nesta nova aventura, "Bond deixou os serviços secretos e finalmente desfruta de uma vida tranquila na Jamaica, mas sua tranquilidade é repentinamente interrompida quando seu velho amigo da CIA, Felix Leiter, vem pedir um 'help' a ele", afirma um release da Universal Pictures.
O agente terá que retornar ao serviço para resgatar um cientista mantido como refém, uma missão que "o levará a um misterioso vilão, armado com uma nova tecnologia perigosa", acrescenta o texto.
O filme seria inicialmente lançado no final de 2019, mas o projeto atrasou quando o veterano diretor Danny Boyle, de "Trainspotting" e "Quem quer ser um milionário?", anunciou que deixaria a obra por causa de "diferenças criativas" com produtores.
Em setembro, anunciaram a contratação de Fukunaga, diretor e escritor de 41 anos, nascido na Califórnia, mais conhecido por ter escrito e dirigido a primeira temporada da série de televisão "True Detective", com o qual ganhou um Emmy de Melhor diretor de uma série de drama em 2014.
Ele também escreveu e dirigiu o drama espanhol "Sin Nombre" (2009), coprodução mexicano-americana estrelada pela mexicana Paulina Gaitan e hondurenho Edgar Flores.
- Seduzindo pela quinta vez -
Já o britânico Daniel Craig, 51 anos, mais uma vez veste o smoking do mais famoso e sedutor espião de Sua Majestade, e provavelmente pela última vez.
O ator havia indicado que preferia "cortar suas veias" a interpretar James Bond pela quinta vez, antes de finalmente confirmar em 2017 sua participação.
Quando em 2005 ele foi escolhido para suceder Pierce Brosnan como a sexta encarnação do personagem criado na década de 1950, o ator loiro musculoso, de olhos azuis e com 1,78 m de altura era pouco conhecido da época do grande público, recebeu críticas.
Mas, quatro filmes depois - "Casino Royale" (2006), "Quantum of Solace" (2008), "Skyfall" (2012) e "Spectre" (2015) -, a maioria dos fãs e críticos parecem concordar que enriqueceu o personagem, dotando-o de uma mistura de grosseria e vulnerabilidade emocional.
A produtora Barbara Broccoli declarou esperar que Craig não deixe seu personagem.
"Ele diz que é seu último filme, mas espero que não seja. Vamos esperar para ver", declarou à agência de notícias britânica Press Association.
"Eu fiz o melhor que pude", disse o próprio Craig há algum tempo à revista Esquire, antes de anunciar que seu próximo filme como Bond seria o último. "Quero passar para outra coisa", concluiu.

Escrito por:

France Presse