Publicado 25/04/2019 - 11h55 - Atualizado 25/04/2019 - 11h55

Por Daniel de Camargo

Sinfônica em apresentação no auditório Beethoven, na Concha Acústica do Taquaral: 'nobre senhora' é a mais longeva em atividade no Brasil

Cedoc/RAC

Sinfônica em apresentação no auditório Beethoven, na Concha Acústica do Taquaral: 'nobre senhora' é a mais longeva em atividade no Brasil

A Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa) deve confirmar na manhã de hoje, segundo apurado pelo Correio Popular, um patrocínio na ordem de R$ 3 milhões para a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas (OSMC). A empresa, que registrou lucro líquido de R$ 162,53 milhões em 2018, não confirmou o valor do aporte, entre outros detalhes. O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), assina a autorização para o subsídio às 10h, na Academia Campinense de Letras (ACL), na Rua Marechal Deodoro, 525, Botafogo. 
De acordo com a Sanasa, o objetivo é manter esse patrimônio imaterial, que em 2019 completa 90 anos de história. Com o slogan “Água é Vida para o Corpo e Música é Vida para a Alma”, este amparo levará mais cultura e música para a população, com apresentações em vários locais, assegura a empresa.
Nascido em Santiago no Chile, o maestro Victor Hugo Toro, concilia os cargos de diretor artístico e regente titular da OSMC. Agradecido, o maestro analisa que a OSMC é a principal estrutura cultura do Interior paulista e maior referência artística na terra natal de Carlos Gomes, o mais importante compositor de ópera das Américas. “Certamente faremos coisas excelentes com esse recurso”, , encerrou. No momento, 74 das 119 vagas disponíveis para músicos estão preenchidas de forma ativa. Três músicos estão readaptados e outras 41 posições estão abertas.
O prefeito Jonas enfatizou em entrevista à rádio CBN Campinas na manhã de ontem que o corpo musical é um símbolo local, que vem se extinguindo em diversos municípios, o que não acontecerá em seu governo. O chefe do Executivo destacou que a OSMC deve fechar o Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão pelo quinto ano consecutivo, fato que comprova seu prestígio na cena musical brasileira.
Histórico
Documentos que vieram à tona em outubro de 2014 evidenciam que a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas (OSMC) foi criada em 1929, o que a torna a primeira instituição do gênero a surgir em uma cidade brasileira não capital de Estado. No início foi chamada de Associação Symphonica Campineira.
Em seu primeiro ano promoveu o concerto de estreia em 15 de novembro, sob regência do maestro Salvador Bove. De lá para cá, a orquestra encanta o público com obras de grandes compositores e privilegia o trabalho de artistas da Região Metropolitana de Campinas (RMC).
Em 1975, passou a ser mantida pela Prefeitura de Campinas, quando foi consolidada na estrutura que perdura até hoje. As décadas de história, registradas em atas, cartas, recibos, notas e livros demonstram o apreço do público campineiro e regional pela música erudita, que tornou Campinas rota indispensável dos principais programas sinfônicos e operísticos.
Sede da ACL será recuperada
O prefeito Jonas Donizette (PSB) disse na manhã de ontem que o prédio da Academia Campinense de Letras (ACL), onde será realizada a coletiva para anunciar o patrocínio da Sanasa para a OSMC, será recuperado. Segundo o chefe do Executivo, a Prefeitura vai investir R$ 100 mil para revitalizar o imóvel, que é patrimônio cultural tombado do município. A ACL ocupa uma construção imponente, que segue padrões arquitetônicos dos antigos templos gregos.
PROGRAMAÇÃO
A Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas (OSMC) apresenta, neste sábado e domingo, concertos especiais para relembrar sua participação nos comícios das "Diretas Já"
Os dois eventos serão no Teatro Municipal José de Castro Mendes, na Rua Conselheiro Gomide, nº 62, na Vila Industrial, em Campinas.
Ambos serão beneficentes, com distribuição dos convites antes do espetáculo em troca de doação de alimentos não-perecíveis para o Banco de Alimentos de Campinas.
No sábado, a apresentação tem início às 20h, e no domingo, às 11h.
Entre outros, o repertório conta com músicas do compositor alemão Ludwig Van Beethoven.

Escrito por:

Daniel de Camargo