Publicado 30/04/2019 - 08h51 - Atualizado 30/04/2019 - 17h01

Por Daniel de Camargo

Polícia abre inquérito para investigar agressão

Divulgação

Polícia abre inquérito para investigar agressão

A Polícia Militar vai instaurar inquérito para identificar e responsabilizar os policiais que agrediram um homem no último sábado, suspeito de traficar drogas, em Campinas.
Em nota, a corporação informou que não compactua com atitudes ilegais de seus agentes. Um vídeo mostrado pela EPTV mostra o lavador de carros de 28 anos, G.F.G, imobilizado no chão, sendo golpeado com socos e pontapés.
Segundo o boletim de ocorrência registrado na 2ª Delegacia Seccional da cidade, o suspeito foi perseguido com apoio do helicóptero Águia por cerca de 25 minutos, do Jardim Itatinga, passando pela Rodovia Santos Dumont (SP-075), até a Av. Emilly Cristienne Giovanini, na Vila Aeroporto, onde caiu da moto que pilotava. Após o tombo, ocorreram as agressões.
O documento policial informa ainda que o indiciado investiu contra os policiais, que precisaram usar força moderada e algemas para contê-lo. O rapaz sofreu escoriações na região das costelas, segundo a PM, em decorrência da queda, e precisou ser encaminhado ao Pronto-Socorro do Ouro Verde.
Com o lavador foram encontradas sete porções de maconha. Em sua residência, outras 51. Além disso, 27 cigarros parcialmente consumidos foram localizados em cima de uma cômoda, no quarto do suspeito, junto a um dichavador. Somando valores que estavam com o jovem e na casa, foram apreendidos R$ 2.843,60.
Ele foi encaminhado à cadeia anexa ao 2º Distrito Policial, no bairro São Bernardo. No domingo, a prisão foi convertida em preventiva, após a realização de audiência de custódia. Francisco Baldy Antonio Maciel, que representa G.F.G, diz que a abordagem foi arbitrária, que os policiais impediram os familiares de acompanhar a vistoria no imóvel e que os critérios usados para manter uma pessoa detida não são aplicáveis a seu cliente. Maciel tentará mudar a decisão. Diz que o rapaz é usuário e não traficante de drogas, e que trabalha com carteira registrada.

Escrito por:

Daniel de Camargo