Publicado 29/04/2019 - 17h54 - Atualizado 29/04/2019 - 18h09

Por Henrique Hein

Entre 22 e 29 de abril, 2.478 novos registros foram confirmados, fazendo com que a cidade saltasse de 5.493 casos para as atuais 7.971 infecções

Divulgação

Entre 22 e 29 de abril, 2.478 novos registros foram confirmados, fazendo com que a cidade saltasse de 5.493 casos para as atuais 7.971 infecções

A epidemia de dengue que assola a cidade de Campinas ganhou mais um capítulo preocupante no final da tarde de ontem, com a divulgação do mais novo balanço do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa). De acordo com a atualização, o número de casos confirmados da doença no município subiu 45,1% em apenas sete dias. Entre 22 e 29 de abril, 2.478 novos registros foram confirmados, fazendo com que a cidade saltasse de 5.493 casos para as atuais 7.971 infecções.
Trata-se de um número que supera todas as expectativas da Secretária de Saúde. No final de março, o secretário da pasta Carmino de Souza havia dito, em coletiva de imprensa, que a estimativa era de 3 a 5 mil pessoas infectadas pela dengue ao longo de 2019.
A região mais afetada pela dengue na cidade é a Noroeste, onde fica o distrito do Campo Grande, com 2.463 registros. A região Sul - que engloba bairros que fazem divisa com os municípios de Indaiatuba e Valinhos - está em segundo lugar, com 2.061. O Estado de São Paulo enfrenta epidemia da doença desde o começo de 2019.
Segundo a Prefeitura, Campinas entrou em epidemia mais tarde, pois houve intensificação das ações de prevenção em campo, como controle de criadouros, nebulização, bloqueio a cada ocorrência e atividades de mobilização social, entre outros. Por esse motivo, Campinas terá um período epidêmico mais curto já que doença é sazonal e a sazonalidade se encerra em maio.
Prevenção
A Secretaria Municipal de Serviços Públicos informou ontem que iniciou um mutirão de limpeza na região do Campo Belo e Sul de Campinas, com serviços de limpeza, manutenção de vias e roçagem de mato. Os serviços seguem até a próxima sexta-feira, dia 5 de maio, exceto na quarta-feira, 1º de maio, feriado do Dia do Trabalho.
De acordo com o secretário municipal de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, o mutirão atua em diversas ações para promover a limpeza em vários pontos e auxiliar no combate à proliferação do mosquito transmissor da dengue.
Estão em campo equipes com cerca de 170 pessoas, entre funcionários e reeducandos, para coleta de entulho e resíduos orgânicos, cata-treco para remoção de móveis e aparelhos descartados irregularmente; manutenção de vias de terra, roçagem de mato áreas públicas não urbanizadas; praças e canteiros; limpeza de córregos; capinação de guias e sarjetas; desobstrução de bocas de lobo. Para esse trabalho, estão sendo utilizadas cerca de 30 máquinas, tratores e caminhões.
Os serviços estão sendo executados nos bairros Campo Belo 1 e 2, Cidade Singer 1 e 2, Jardim Fernanda 1 e 2, Jardim Itaguaçu 1 e 2, Jardim Marisa, São Domingos, Vila Palmeiras, Dom Gilberto, e outros. "A luta contra a dengue exige uma contrapartida de toda sociedade. A Prefeitura mantém um programa de controle e prevenção da dengue. Mas cada cidadão precisa fazer sua parte de cuidados com os espaços, destinando corretamente os resíduos e evitando criadouros" , informou a nota do Governo Municipal.

Escrito por:

Henrique Hein