Publicado 25/04/2019 - 09h44 - Atualizado 25/04/2019 - 09h45

Por Maria Teresa Costa

Movimento na Rua 13 de Maio, em Campinas: o comércio e a indústria puxaram a retração da empregabilidade na RMC em março

Cedoc/RAC

Movimento na Rua 13 de Maio, em Campinas: o comércio e a indústria puxaram a retração da empregabilidade na RMC em março

A Região Metropolitana de Campinas (RMC) fechou março com a geração de 327 empregos com carteira assinada, o pior saldo desde 2017, quando a região perdeu 497 postos de trabalho, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, divulgados ontem. Apesar da retração, no acumulado do primeiro trimestre do ano, o saldo é positivo em 7.549.
O crescimento das demissões, segundo o diretor regional do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), José Henrique Correa, é resultado do pessimismo do empresariado em relação à economia do País, mas ele acredita que se houve sinalização de que a reforma da Previdência será aprovada, os números serão revertidos.
“Num clima de pessimismo, os empresários, especialmente os de grandes empresas, fazem corte onde o custo é maior, que é a mão de obra”, afirmou. As reformas da Previdência, tributária e desoneração, segundo ele, geram expectativa positiva para que os empresários venham a investir. “Se isso ocorrer, teremos grande número de contratações”, afirmou.
Seis cidades da RMC perderam postos de trabalho em março, entre elas Campinas, que fechou 516 postos, o pior saldo do mês desde 2017, quando 653 postos foram fechados. Também ficaram no negativo Artur Nogueira (30), Jaguariúna (31), Monte Mor (65), Sumaré (583) e Valinhos (115).
Comércio e indústria
O comércio e a indústria puxaram a retração da empregabilidade na RMC. A indústria fechou 254 postos e o comércio, 247. Já em Campinas, comércio contratou 3.001 trabalhadores e demitiu 3.420, um saldo negativo de 419 postos de trabalho. A indústria admitiu 1.099 e desligou 1.214 e encerrou março com o fechamento de 115 postos. O setor de serviços fez 6.623 contratações no mês, mas demitiu 6.687 e terminou março com o fechamento de 64 vagas.
Insegurança
Para o economista Ricardo Negreiros, o mês de março refletiu toda a insegurança da economia diante das crises políticas abertas no início do governo, a incerteza da aprovação da reforma da Previdência, situações que devem ainda impactar os resultados de abril.
“A reforma da Previdência é crucial nesse momento, porque sem isso o País não sinaliza mudanças que o empresariado espera. O projeto passou na Comissão de Constituição e Justiça, mas a dúvida é se passará no plenário sem que haja alterações para atender setores que tem privilégios”, afirmou.
A construção civil, entre os setores da economia que mais geram emprego em Campinas, terminou março no azul, com a geração de 86 postos, com a admissão de 804 trabalhadores e a demissão de 718. É o terceiro mês seguido que o setor tem saldo positivo na geração de empregos. Na RMC, o setor encerrou o trimestre com 549 vagas criadas.
Para o presidente da Associação Regional da Construção de Campinas e Região (Habicamp), Francisco de Oliveira Lima Filho, o início de 2019 tem sido positivo para toda a cadeia da construção na Região Metropolitana de Campinas, mostrando um quadro de recuperação, tanto na questão do emprego como em lançamentos imobiliários.
“Estes fatores refletem no aumento de riqueza e impostos para as Prefeituras, movimentando a economia regional”, ressalta.
“Independentemente da política, as empresas do setor vêm investindo em lançamentos imobiliários e temos anúncios de investimentos industriais grandes, que vão demandar mão de obra em grande escala nos próximos meses”, afirmou.
RMC - EMPREGOS EM MARÇO
Cidade                        Admissão   Demissão   Saldo
Americana                        2.747       2.341        133
Artur Nogueira                   262          292          -30
Campinas                       11.637    12.153      -516
Cosmópolis                        425          254          171
Engenheiro Coelho              112          110           2
Holambra                           327          241          86
Hortolândia                       1.334       1.144        190
Indaiatuba                        2.542       2.338        204
Itatiba                               964          888           76
Jaguariúna                         629          660          -31
Monte Mor                           33          398          -65
Morungaba                         119          91            28
Nova Odessa                      609          458          151
Paulínia                             1.506       1.131        375
Pedreira                             479          448          31
Santa B. d´Oeste               1.668       1.562        106
Sto. Antonio de Posse          166          154          12
Sumaré                             1.576       2.159       -583
Valinhos                            1.320       1.475       -115
Vinhedo                            1.153       1.011         142
Total                               29.489     29.217       327
Fonte Caged

Escrito por:

Maria Teresa Costa