Publicado 31/03/2019 - 06h00 - Atualizado 29/03/2019 - 14h18

Por Do Correio

A EsPCEx é o orgulho do bairro

Reprodução

A EsPCEx é o orgulho do bairro

CASTELO: O PONTO ALTO DA CIDADE
Em Campinas, quando se fala em bairro "Castelo", subentende-se o núcleo Castelo, propriamente dito, acrescentado de mais uma área do Jardim Chapadão e outra da Vila Nova. "Nossos bairros são assim" estará focalizando hoje tôda essa vasta área que os campineiros chamam "Castelo". É o bairro mais alto da cidade. Quem está no centro, vê, facilmente o núcleo, principalmente a obra de engenharia que lhe dá o nome. E quem está no bairro, vê quase tôda a cidade. A visão é panorâmica. Os arranha-céus, as casas, a estação, a Catedral, e tudo mais se vê lá do alto. O castelo d'água, que dá nome ao bairro, foi construído no ano de 1940, e além de se constituir num posto de abastecimento do líquido precioso daquela parte da cidade, ainda é tido como ponto turístico, e aproveitado pelas emissoras de televisão para pôsto de retransmissão.
 
SOROCABANA: NÔVO TRAÇADO IMPEDE PROGRESSO
Há alguns anos, a imprensa local e do país anunciou que a Rêde Ferroviária Federal estava elaborando um plano de reificação das linhas da Companhia Sorocabana de Estradas de Ferro, medida que, depois de concluída, seria uma fonte de economia de divisas em favor daquela ferrovia, que economizaria tempo e dinheiro, além de oferecer transporte melhor e mais rápido aos usuários. Segundo as primeiras divulgações, o projeto teria a finalidade de reduzir ao menor número possível, as curvas dos trilhos da EFS.
 
SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO RURAL PRESTA AJUDA
Quando a Agricultura de um país é próspera esta prosperidade se comunica a todos os setores. Daí o empenho em promover melhores condições de vida ao trabalhador rural, evitando seu êxodo para as cidades, e criando-lhe no próprio campo ambiente de trabalho humano e progressista. Num levantamento sociológico feito nas favelas da Guanabara, verificou-se que 80% dos favelados eram antigos proprietários rurais, que cansados e desanimados, largaram suas lavouras e vieram tentar a vida na metrópole. Sem especialização, logo marginalizaram-se, agravando as já difíceis condições de vida nos centros urbanos.

Escrito por:

Do Correio