Publicado 24/03/2019 - 06h00 - Atualizado 22/03/2019 - 12h44

Por Do Correio

Este é o Grupo Experimental Guido Segallio, uma das várias unidades de ensino existentes na Vila Industrial

Reprodução

Este é o Grupo Experimental Guido Segallio, uma das várias unidades de ensino existentes na Vila Industrial

VILA INDUSTRIAL: UMA CIDADE DENTRO DE CAMPINAS
Com mais de 70 anos de formação, a Vila Industrial constitui-se hoje num dos mais promissores núcleos residenciais campineiros. Contando com todos os melhoramentos públicos, um comércio próprio, forte concorrente com o do centro da cidade, o bairro mais velho é considerado até uma cidade dentro de Campinas. Seus moradores, cerca de 40 mil aproximadamente moram há muito no local. Alguns nasceram ali, cresceram, constituíram famílias, e hoje criam seus filhos. Muitas dezenas de estabelecimentos, industriais, comerciais, igrejas, escolas, oficinas da Companhia Mogiana, de Estradas de Ferro e muitos outros, aliados com largas e bem pavimentadas avenidas e ruas, jardins e casas de diversões, constituem a Vila Industrial, o primeiro bairro que se formou depois que Campinas começou a galgar os degraus para atingir o pedestal do progresso.
 
MORCEGOS: AUTORIDADES SANITÁRIAS DEVEM AGIR
A séria ameaça representada pelos inúmeros focos de morcegos que tem sido registrada em diversos pontos de Campinas, precisa da ação imediata e eficiente de parte das nossas autoridades sanitárias. Apesar do fato muito divulgado de que os pequenas animais noturnos são transmissores de muitas doenças, como a raiva, a febre aftosa, infecções pulmonares da região estomacal, da epiderme e outros males, menores, nem um só órgão oficial de saúde manifestou-se a respeito, ou tomou qualquer providência, no sentido de diminuir o número de furnas. Os pontos onde os morcegos tem sido mais vistos, compreendem uma vasta região, que atinge áreas do Bosque, do Cambuí, do Centro e diversas localidades esparsas.
 
CRUZADA CAMPINENSE CONTRA O ANALFABETISMO
"Até dezembro de 1970, possivelmente, não haverá em Campinas um só analfabeto que resida na cidade desde très meses antes daquela data". A declaração foi feita ontem pelo Dr. Benedito José Barreto Fonseca, reitor da Universidade Católica de Campinas, durante entrevista concedida à imprensa. Na oportunidade, o reitor da UCC anunciou a realização da "Cruzada Campinense contra o Analfabetismo", movimento esse que terá a finalidade de provar a afirmação acima, e que será desenvolvido pela Universidade Católica e Prefeitura Municipal, além da possível colaboração de Clubes de Serviços, Exército e outras entidades de educação, como estabelecimentos secundários e outros.

Escrito por:

Do Correio