Publicado 13/03/2019 - 06h00 - Atualizado 12/03/2019 - 14h37

Por Do Correio

Chegada do helicóptero do govêrno do Estado, que trouxe o governador Sodré para iniciar as obras da REPLAN

Reprodução

Chegada do helicóptero do govêrno do Estado, que trouxe o governador Sodré para iniciar as obras da REPLAN

COMEÇARAM AS OBRAS DA REFINARIA DE PAULÍNIA
Com a presença do sr. Roberto Costa de Abreu Sodré, governador do Estado, sr. José Varonil de Albuquerque Lima, além de outras autoridades civis e militares, foi realizada ontem, em Paulínia, a solenidade que marcou o início das obras da Refinaria do Planalto - REPLAN. a sexta e maior unidade da Petrobrás no país. Logo às primeiras horas da manhã, a movimentação na parte de entrada do terreno onde será construída a Refinaria, foi bastante grande, principalmente por parte dos elementos da Petrobrás e da Prefeitura Municipal de Paulínia, que preparavam tudo para as solenidades que seriam realizadas. A imprensa também já estava a postos. As Bandeiras do Brasil, do Estado e da Petrobrás já haviam sido hasteadas desde as primeiras horas da manhã. O governador Sodré deveria chegar, juntamente com outros elementos da Petrobás, de helicóptero.
 
POR QUE QUEREM DESTRUIR VIRACOPOS
Quando se divulgou que o Galeão foi escolhido para ser o aeroporto supersônico do país, o CORREIO POPULAR, legitimo defensor das causas justas foi o primeiro a manifestar sua opinião contra tal decisão. Algum tempo depois publicamos várias considerações sobre o assunto e conclamamos o povo desta cidade a, em defesa de Viracopos, impor a seguinte questão: supersônico para uma cidade ou para uma nação? Assim agimos porque entendemos que fazer o Galeão aeroporto supersônico beneficiará muito a cidade do Rio de Janeiro, mas se a escolha for feita para beneficiar todo o nosso país, Viracopos terá de ser o supersônico. Nos outros dias várias vezes se levantaram contra a decisão da CCPAI, inclusive a de um grande jornal da capital paulista.
 
PROSSEGUEM NA CHINA MANIFESTAÇÕES ANTI-SOVIÉTICAS
Centenas de milhares de chineses revezavam-se novamente esta manhã ante a embaixada soviética em Pequim, na sexta manifestação gigantesca contra a URSS. Esta nova demonstração de massa anti-soviética tem por principal objetivo, como as quatro da semana passada e a de. ontem, protestar contra o incidente armado do Rio Ossuri, no inicio do mês e cuja responsabilidade lançam-se mutuamente Pequim e Moscou. As janelas da embaixada estão protegidas por placas de madeira, com os indispensáveis requisitos para ver o que se passa fora.

Escrito por:

Do Correio