Publicado 20/02/2019 - 06h00 - Atualizado 19/02/2019 - 14h55

Por Do Correio

Palanque do Correio Popular, em cuja frente permaneceram milhares de pessoas, aplaudindo as nossas Escolas de Samba

Reprodução

Palanque do Correio Popular, em cuja frente permaneceram milhares de pessoas, aplaudindo as nossas Escolas de Samba

CARNAVAL DE RUA PRECISA DE MAIOR APOIO
A grande verdade é que o Carnaval de rua em Campinas, a cada ano que passa mostra-se fraco, desorganizado e sem mais atrativo para o público que mesmo assim acorre para aplaudi-lo. Uma cidade como Campinas vê-se simplesmente representada por quatro Escolas de Samba e dois blocos carnavalescos, graças, é necessário dizermos, à boa vontade, espírito de empreendimento de alguns homens que conseguem levar às ruas uma bateria, um grupo de passistas e outros elementos. Mas, se eles, nesse ponto, recebem elogio, por outro devem merecer criticas. Trata-se da falta de respeito pelo horário e em consequência pelo público. Os diretores das Escolas e Blocos primam pela falta de horário em suas passagens pelos locais onde devem se exibir e quando não estão presentes —caso de segunda-feira à noite, quando nenhuma Escola saiu às ruas.
 
AQUI, EM CAMPINAS, SE PEGA PEIXE À UNHA
Quem mora numa cidade remo Campinas e, gosta de se retirar, nos fins de semana, para um local de sossego, onde o ar é leve e sugere ter sido filtrado pelo espesso algodão das nuvens, apareça na Usina do Macaco Branco. Ali você se sentirá em completo repouso, e sofrerá a descontração, e a recuperação dos nervos, destroçados pela trepidação da vida citadina. E se você, ainda, gosta de pescar, melhor ainda, pois o local é excelente para a pesca. Tem peixe que não acaba mais, como dizem os populares. Nesta semana que passou, a fiscalização do Estado precisou destacar para o local, um fiscal e solicitar ainda o auxilio de mais três elementos do 8.o Batalhão Policial, para guardar a cachoeira e proteger os peixes que, aos milhares, tentavam ultrapassá-la para a desova.
 
SUPERSÔNICO SÓ MESMO EM SETEMBRO
Já começam a surgir as primeiras divergências a respeito do problema da escolha do futuro Aeroporto Internacional de Supersônicos. As primeiras notícias davam conta de que logo depois do Carnaval, seria divulgado pela Comissão que está tratando do assunto, o local exato onde seria construído o moderno e gigantesco aeródromo. Chegou-se inclusive a apontar o Galeão como o escolhido para sediar o aeroporto, deixando de lado o Aeroporto Internacional de Campinas, em Viracopos que, segundo os entendidos, é o ideal para o pouso e decolagem dos modernos aviões supersônicos.

Escrito por:

Do Correio