Publicidade

Publicado 17/01/2019 - 06h00 - Atualizado 18/01/2019 - 10h00

Por Do Correio

Os trabalhos de alargamento da João Jorge estão no fim. Dentro em breve a segunda pista entrará em funcionamento

Reprodução

Os trabalhos de alargamento da João Jorge estão no fim. Dentro em breve a segunda pista entrará em funcionamento

SEGUNDA PISTA DA JOÃO JORGE QUASE PRONTA 
Prevendo que o tráfego de um velho viaduto estava na iminência de um colapso, pois, já de há muito não vinha atendendo ao escoamento de trânsito dos veículos de vários tipos e das mais diferentes frações, Campinas construiu há muitos anos, um grande viaduto denominado, posteriormente, de Viaduto Miguel Vicente Curi. Desapropriações foram feitas e o monstro de concreto começou a tomar forma. Depois de alguns anos essa obra de, primeira ordem na engenharia urbana ficou sendo considerada como o cartão de visitas desta cidade. E ainda o é até hoje. Mas, a obra previa, também, a ampliação das avenidas João Jorge e São Paulo. Esta última foi feita, enquanto que a João Jorge ficou, como um pedaço que não acompanhou o progresso. Para quem demandava a Via Anhanguera, estava tudo bom, pois a via de acesso era a João Jorge.
 
BRASIL PRECISA DE REFORMAS BÁSICAS
O setor empresarial brasileiro está recebendo com simpatia a série de reformas introduzidas com simpatia, alguns setores entendem como insuficientes, caso não sejam acompanhadas de reformas fundamentais, tais como a Agrária e Creditícias. Esclarecem mesmo que o problema crucial da indústria brasileira é a insuficiência do mercado interno. Outros setores empresariais, notadamente as lideranças dos sindicatos patronais, ainda que com reserva, tem manifestado apoio às medidas governamentais e salientando que confiam no Governo para a manutenção do direito de propriedade e o fortalecimento da iniciativa privada. As críticas desses mesmos setores dirigiram-se contra o congelamento de preços assim como à atiquetagem de produtos explicitando os lucros dos empresários.
 
AS NAVES SOVIÉTICAS UNIRAM-SE NO ESPAÇO
A união das naves cosmicas "Soyuz-4" e "Soyuz-5", é essencial para colocar em orbita, em torno da Terra, a uma plataforma espacial soviética, afirmou em Manchester hoje o diretor do Observatorio de Jodrell Bank, Sir Bernard Lovell. O cientista britanico formulou esta declaração imediatamente depois de conhecer do exito da operação cumprida pelos astronautas soviéticos, ao unir ambas as capsulas espaciais. Nos próximos dias, prosseguiu, saberemos se os sovieticos estabelecerão viagens entre a URSS e as naves cosmicas "Soyuz-4" e "Soyuz-5".

Escrito por:

Do Correio