Publicidade

Publicado 16/01/2019 - 06h00 - Atualizado 15/01/2019 - 15h02

Por Do Correio

O transporte ferroviário é ainda o preferido pelas populações. Linhas e instalações se espalham pelo território, verdadeira e viva tradição

Reprodução

O transporte ferroviário é ainda o preferido pelas populações. Linhas e instalações se espalham pelo território, verdadeira e viva tradição

TRANSPORTE FERROVIÁRIO AINDA É O PREFERIDO
O transporte ferroviário é ainda o preferido pelas populações. Linhas e instalações se espalham pelo território, verdadeira e viva tradição. E não só tradição: símbolo de estabilidade, distintivo de amadurecimento das sociedades, síntese de um estágio para além do qual só maior progresso se espera. - "A estrada de ferro chega logo, o traçado está aqui!" Tais palavras significaram no passado, e significam, ainda hoje, nas regiões distantes e apenas desbravadas, característico penhor de futuro e de esperança. Foi assim no Norte, no Sul e, ainda agora, na marcha para o Oeste. Foi assim na velha zona depois cortada pela "Mogiana". O mesmo, na Araraquarense, na Noroeste e nas regiões antigas ou mais recentemente devastada pela Companhia Paulista.
 
MINISTÉRIO APROVOU PLANO DE CONTENÇÃO
A reunião ministerial realizada ontem, no Palácio Rio Negro, em Petrópolis, iniciou-se às 16 horas e terminou pouco depois das 17 horas. Durante a reunião, quando foi aprovado o Plano de Contenção Orçamentária, os ministros Delfim Neto, da Fazenda, e Hélio Beltrão, do Planejamento, fizeram pormenorizada exposição sobre o assunto. Participaram da reunião todos os ministros, o chefe, do Gabinete Civil e Militar da Presidência, e o Chefe do Serviço Nacional de Informações. Após a reunião, o ministro Rondon Pacheco informou que o Plano de Contenção Orçamentária será regulado por decreto. Por sua vez, o ministro Delfim Neto informou, depois da reunião, que ficou acertada a programação financeira para 1969.
 
JOHNSON QUER NEGOCIAÇÕES PRÓ-LIMITAÇÃO DE ARMAS
O presidente Lyndon Johnson preconizou, em sua última mensagem sôbre o estado da União, o reinicio das negociações com a União Soviética sobre limitação dos armamentos nucleares ofensivos e defensivos. Nesse último discurso televisado à nação, que pronunciou perante as duas câmaras do Congresso, Johnson , apresentou um balanço de política exterior e definiu os imperativos da política norte-americana nos próximos anos. Num capítulo intitulado "Em busca da paz", o chefe do executivo formulou alguns pontos. Entre eles, o prosseguimento das negociações com a União Soviética sobre limitação dos sistemas balísticos ofensivos e defensivos".

Escrito por:

Do Correio