Publicidade

Publicado 12/01/2019 - 06h00 - Atualizado 11/01/2019 - 14h31

Por Do Correio

Ontem, às 16 horas, foram inauguradas as novas instalações da prestigiosa e progressista indústria

Reprodução

Ontem, às 16 horas, foram inauguradas as novas instalações da prestigiosa e progressista indústria "Doces Boa Viagem Ltda."

INAUGURAÇÃO DE NOVAS INSTALAÇÕES DA "BOA VIAGEM"
Assinalou um acontecimento de notável projeção social a solenidade de ontem, às 16 horas, quando foram inauguradas as novas instalações da prestigiosa e progressista indústria "Doces Boa Viagem Ltda.", à avenida D. José I, numero 333, em área antigamente ocupada pelo hipódromo campineiro. Elevado número de personalidades esteve presente, dando um brilho extraordinário à expressiva cerimônia. Entre as que compareceram, pudemos anotar os srs. Ruy Hellmeister Novaes, prefeito municipal; s. revma, D. Antonio Maria Alves de Siqueira, arcebispo metropolitano de Campinas; cel. Sidney Teixeira Alvares, comandante da Guarnição Militar de Campinas e do 1.o BCCL; dr. Marino Falcão Lopes, procurador da Justiça do Estado; deputado federal dr. Francisco Amaral, entre outras personalidades.
 
A PARTIR DE HOJE, PREÇOS JÁ SE ACHAM CONGELADOS
"O reforço nos estoques dos gêneros alimentícios de primeira necessidade, nos principais centros do país, que a partir de amanhã terão seus preços contidos por 120 dias, foi a solução encontrada pelo Govêrno federal, objetivando baratear o custo de vida" - a declaração foi feita ontem à imprensa pelo superintendente da SUNAB, que anunciou para os próximos dias novas e importantes medidas evitando a especulação. O sr. Enaldo Cravo Peixoto, após afirmar que a fiscalização daquele órgão permanece vigilante contra a ação dos comerciantes que insistem em auferir margem ilegal de lucros, declarou: "Para êsses casos, o Govêrno não hesitará na aplicação das sanções previstas no Ato Institucional n. 5".
 
PODERIO MILITAR NO ORIENTE MÉDIO
Em fevereiro de 1968, durante uma conferência da Universidade de Jerusalém, Moshe Dayan, afirmava: "Os árabes estão muito fracos para se lançarem a uma guerra. Eles só o farão se uma potência estrangeira —como a União Soviética — lhes assegurar um apoio concreto e lhes der novos armamentos. Em 1968, os árabes sozinhos são incapazes de deflagrar as hostilidades". E 1968 terminou. A tensão, no Oriente Médio acena com uma nova guerra e os observadores internacionais acreditam que a balança de poder militar em têrmos de qualidade e quantidade já pende para os árabes.

Escrito por:

Do Correio