Publicidade

Publicado 30/12/2018 - 06h00 - Atualizado 21/12/2018 - 14h37

Por Do Correio

A primeira vista tem-se a impressão tratar-se de uma das grandes capitais brasileiras, mas, é Campinas mesmo

Reprodução

A primeira vista tem-se a impressão tratar-se de uma das grandes capitais brasileiras, mas, é Campinas mesmo

CAMPINAS COM TODA A SUA LUZ E ESPLENDOR
A primeira vista tem-se a impressão tratar-se de uma das grandes capitais brasileiras Mas, não é São Paulo, nem Belo Horizonte, nem Rio de Janeiro. É Campinas mesmo, que, com tôda a sua luz e esplendor acaba de cumprir mais uma etapa da vida. O ano de 1968 já passou, com muitas glórias para esta cidade e para seus habitantes. Vários acontecimentos ficaram gravados na página 1968 do livro da vida. O campineiro construiu, demoliu, reformou, inovou, fez de tudo. A cidade começa agora a ensaiar os primeiros passos para a longa caminhada de 365 dias, que terá sua história gravada, também, no mesmo livro, mas na página seguinte: a de número 1969. Campinas, a cada ano que passa, mais se humaniza, despede-se daquele ano que lhe trouxe muitas venturas.
 
DESIDRATAÇÃO VOLTA A AMEAÇAR POPULAÇÃO INFANTIL
A desidratação está ameaçando nova-mente a população (particularmente a infantil) da cidade, a exemplo do que já acontece há algumas semanas na Guanabara, São Paulo e Santos, onde a incidência tem sido bastante grande. Geralmente, a maioria das vítimas da desidratação, são crianças com menos de 5 anos de idade, mas o mal pode atacar qualquer pessoa que não se precavenha. Os médicos da Secretaria da Saúde, estão prevendo para os próximos dias um aumento consideravel na incidência dos casos na região São Paulo-Campinas, podendo até mesmo verificarem-se mais mortes. Ontem, sórnente no centro da Capital, morreram oito pessoas cinco crianças e três adultos.
 
CINEMA BRITÂNICO E AS NOVAS IDÉIAS
O primeiro reconhecimento sério da importância da cinematografia surgiu em decorrência de uma exibição realizada na Grã-Bretanha, em 1896. Nos anos imediatamente anteriores, havia-se dedicado mais tempo ao desenvolvimento de instrumentos científicos que, propriamente, à produção de trabalhos de arte. Quando os espectadores foram pela primeira vez ao cinema sua intenção era ver uma novidade que surgia — e a constatação da novidade, como sóe ocorrer, seguiu-se um processo de demanda. De que modo rápido cresceu esta demanda pode ser avaliado pelo fato de que apenas na Grã-Bretanha alguns milhares de filmes foram feitos entre 1896 e 1906.

Escrito por:

Do Correio