Publicidade

Publicado 23/12/2018 - 06h00 - Atualizado 19/12/2018 - 11h58

Por Do Correio

Instante em que Odhemar Teizen do Correio Popular, entrega ao bi-campeão, Roberto Venditti, a sua

Reprodução

Instante em que Odhemar Teizen do Correio Popular, entrega ao bi-campeão, Roberto Venditti, a sua "Raqueta de Ouro"

RECEBERAM AS "RAQUETAS DE OURO" OS CAMPEÕES
Foi realmente agradável e simpática a festa de confraternização promovida pela Liga Campineira de Tênis, na noite de sexta-feira, no salão nobre do Clube Fonte São Paulo, oportunidade em que também foram entregues os prêmios "Schmidt" e "Raqueta de Ouro" esta oferta do Correio Popular, em seu segundo ano de disputa. Uma centena de convidados, entre tenistas, familiares, autoridades esportivas, dirigentes de clubes filiados e esportistas, tornaram a reunião da entidade do Dr. Walter Schmidt um dos pontos altos das celebrações desportivas amadoristas de Campinas nesta temporada, quiçá a mais bonita festa do
ano. Composta a mesa pelo Presidente da entidade, Dr. Walter Schmidt, Benedito Vieira, secretário, e Osvaldo Carvalho Guerra, diretor-técnico, foi dada a abertura com o presidente fazendo um breve retrospecto do trabalho desenvolvido.
 
POLUIÇÃO DO ATIBAIA: INDÚSTRIAS DEVEM TOMAR CUIDADO
A poluição do Atibaia, que ainda nesta semana vitimou em quatro ocasiões consecutivas muitas toneladas de peixes de todas as especies, parece que vai continuar no mesmo ritmo: ontem mais uma vez, o ácido foi despejado no rio, provocando nova dizimação na fauna ictiológica. A fiscalização funciona, mas só contra os pequenos pescadores: varas, redes, e mesmo todo o produto pescado são apreendidos quando falta a licença, ou quando o homem apanha alguns peixes a mais do que a quantidade permitida. Já para as indústrias da poluição, o serviço não existe, apesar destes serem os responsáveis pela dizimação constante da população dos rios.
 
CONSTRUÇÃO DE RIO NA DIREÇÃO DA GRANDE SÃO PAULO
"Construir um rio, que corra na direção da Grande São Paulo, e que tenha por objetivo abastecê-la de água potável até o ano 2000" — eis como a COMASP — Companhia Metropolitana de Água de São Paulo — sintetiza a obra que vem realizando no sistema Juqueri, para a qual o governador Abreu Sodré assinou, contratos de valor superior a 40 bilhões de cruzeiros velhos. A obra "um fascinante problema de engenharia", como diz um engenheiro da COMASP — vem acelerando, cada vez mais, o ritmo de suas construções e, até 1970, estará aduzindo água suficiente para abastecer a população de toda a zona norte da cidade, onde a sua falta é constante.

Escrito por:

Do Correio