Buraqueira atormenta região central
Publicidade

Publicado 24/10/2018 - 07h54 - Atualizado 24/10/2018 - 07h55

Por Beatriz Andrade

Além de motoristas, pedestres e usuários do transporte coletivo reclamam dos transtornos causados pela cratera

César Rodrigues/AAN

Além de motoristas, pedestres e usuários do transporte coletivo reclamam dos transtornos causados pela cratera

O paralelepípedo parece estar ganhando a briga com o asfalto no cruzamento da Avenida Campos Sales com a Rua José Paulino, no Centro de Campinas. A Prefeitura insiste na Operação Tapa-Buraco e a população não abandona às denúncias. Mesmo na região central, em um dos cruzamentos mais importantes de Campinas um buraco enorme com grave falha asfáltica parece não ser prioridade para a Administração. Quem sofre com isso? A população. Em frente do buraco existe um ponto de ônibus, no qual centenas de pessoas ficam à mercê da habilidade do motorista dos coletivos que passam pela depressão. O problema se agrava quando chove, já que a cratera enche e os "banhos" nos pedestres são recorrentes.
Os passageiros, que se aglomeram aos montes no ponto de ônibus, preferem se encolher próximos à parede para evitar serem atingidos pela água empoçada em dias de chuva. Os ônibus que passam pela via balançam e trepidam ao circular pelo trecho danificado, e as pessoas que já estão dentro do veículo se seguram em seus assentos ou nas barras de segurança com mais força. Para quem espera o ônibus no ponto da Avenida Campos Sales com a Rua José Paulino, a situação já se repete há anos, e não há previsão de melhora. O paralelepípedo começa a tomar conta do asfalto na via, que tem grande fluxo de carros, motos, ônibus e pedestres, além do número de passageiros à espera do transporte público.
Sueli Borba Brito, cozinheira de 64 anos, embarca no transporte naquele ponto há muito tempo e diz que os buracos nunca viram a equipe de reparos da prefeitura. “Eles estão aqui há anos, e, apesar das reclamações já feitas, nunca vieram arrumar”, afirmou a cozinheira. Ainda segundo ela, durante o período de chuvas, os passageiros precisam se esconder da água. “Fica tudo empoçado por causa do buraco, e, quando o ônibus vem, precisamos correr para perto da parede para não tomar um ‘banho’ de água de chuva”, contou a Sueli Borba Brito.
Prefeitura
Em nota, a Secretaria de Serviços Públicos informou que vai mandar uma equipe no local e programar para fazer os reparos em até uma semana. A Administração ressaltou ainda que está trabalhando para executar os reparos na Operação Tapa-buracos em toda a cidade. “O mutirão vai até abril de 2019 e a expectativa é tapar, nesse serviço, cerca de 200 mil buracos durante esse período. Além das equipes de tapa-buracos específicas para o mutirão, outras continuam a atender às solicitações que chegam pelo 156 ou aplicativo Colab”, informou.
Além disso, para garantir mais qualidade na pavimentação da cidade, o Governo Municipal prometeu recapear cerca de 200 quilômetros de vias. “Serão priorizadas ruas e avenidas que possuem asfalto antigo, que já está desgastado demais e precisa de uma nova capa. Os cidadãos sempre podem acionar a Prefeitura pelo 156 e solicitar os reparos.”

Escrito por:

Beatriz Andrade