Transferências aliviam UTI no Caism
Publicidade

Publicado 25/07/2018 - 20h57 - Atualizado 25/07/2018 - 20h57

Por Rafaela Dias

Complexo de terapia intensiva da Unicamp continua superlotado, porém índice de ocupação passou de 146% para 106%; setor mantém restrição

Matheus Pereira/AAN

Complexo de terapia intensiva da Unicamp continua superlotado, porém índice de ocupação passou de 146% para 106%; setor mantém restrição

O Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (Caism) reduziu quarta-feira a taxa de ocupação dos leitos neonatais, passando de 146% para 106% em 24h. Seis dos 16 bebês que estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal foram transferidos para outras duas unidades da região, o Hospital e Maternidade de Campinas e o Hospital Estadual Sumaré Dr. Leandro Franceschini, que passou a operar também acima da capacidade. Das 12 vagas de UTI neonatal, existem 14 internações. Já na Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) Neonatal, os dez leitos estão ocupados.
Apesar da redução de pacientes, o Caism da Unicamp deve seguir nesta quinta-feira com capacidade máxima, mantendo ainda suspensas novas internações. “Houve melhora no quadro, mas ainda operamos acima da capacidade”, informou a direção do Caism.
O Hospital da PUC-Campinas também continua operando na sua capacidade total. Mesmo recebendo as transferências, a Maternidade segue com superlotação. As 40 vagas permanecem ocupadas, sendo 24 por pacientes do SUS e 16 pela saúde privada. Os atendimentos não estão suspensos, segundo o hospital, mas estão restritos.
Internações pediátricas
O Hospital de Clínicas da Unicamp informou, por sua Assessoria de Imprensa que , encerrou quarta-feira, às 16 horas, as restrições das internações na ala pediátrica. A medida restritiva, decretada no dia 17 de julho foi necessária, segundo a Unicamp, em função da superlotação da Urgência Pediátrica, da UTI Pediátrica e da Enfermaria Pediátrica.
“O objetivo da restrição foi a preservação dos serviços com segurança para pacientes atendidos e internados”, informou o HC. A superintendência reforçou ainda para a Central de Vagas do Estado (CROSS), Samu, Resgate e prefeituras, cautela no encaminhamento de casos, tendo em vista que o funcionamento está com sua capacidade máxima.
A UTI Pediátrica do HC mantém dez crianças internadas com ventilação mecânica, a UER Infantil está normalizada e a Enfermaria de Pediatria, com 36 leitos, continua com sua capacidade próxima do limite, porém retomou hoje sua rotina para os casos eletivos.
Mesmo assim, o HC reforçou que as demandas espontâneas continuam sendo avaliadas por classificação de risco e se necessário serão redirecionadas à rede.
PUC-Campinas
Segundo a assessoria de imprensa do Hospital da PUC-Campinas, a situação ontem permanecia a mesma informada na última terça-feira. A UTI neonatal possui 12 leitos conveniados ao SUS, sendo que 11 deles estão ocupados e um já está reservado para uma paciente de Campinas. Dos 11 leitos ocupados, cinco são de pacientes de Campinas e seis de outrosmunicípios (Taubaté, Paulínia, Águas de Lindoia, Santo Antônio de Posse, Nova Odessa e Mococa).
Na UCI são 4 leitos conveniados ao SUS, sendo que três estão ocupados por pacientes da cidade. Existem ainda quatro gestantes de alto risco, que podem precisar de vaga. As atividades não estão suspensas, mas o hospital alerta que também trabalha no limite da capacidade, ainda sem perspectiva de mudança no quadro.

Escrito por:

Rafaela Dias