Campanha 'esquece' livros no campus da Unicamp
Publicidade

Publicado 24/07/2017 - 20h51 - Atualizado 25/07/2017 - 09h41

Por Shana Pereira

A proposta é que as pessoas

Carlos Sousa Ramos/AAN

A proposta é que as pessoas "esqueçam" um livro em pontos estratégicos como pontos de ônibus, cafés e praças para que a população se aproxime dos exemplares

Com intuito de incentivar a leitura e aproximar o contato com os livros, a Editora Unicamp espalha hoje 35 livros de seu catálago pelo campus da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e no distrito de Barão Geraldo. A iniciativa faz parte do projeto “Esqueça um livro, espalhe conhecimento” que vai acontecer em várias cidades do País.
A ideia de participar pela primeira vez do projeto é para marcar o aniversário de 35 anos da editora, explicou a diretora da Editora da Unicamp, Márcia Abreu. “O projeto é uma iniciativa criativa que tem um objetivo nobre: despertar o interesse pelos livros”, disse.
A proposta é que as pessoas “esqueçam” um livro em pontos estratégicos como pontos de ônibus, cafés, restaurantes, praças públicas, entre outros, para que a população se aproxime dos exemplares. “O objetivo, é promover a circulação de ideias e do conhecimento. Um livro guardado em nosso estoque é um livro que não existe, pois não tem vida. O projeto é uma maneira de fazer com que essas obras sejam inseridas no cotidiano das pessoas”, ressaltou Márcia.
Para participar, o interessado deve baixar e imprimir um marcador do “Esqueça um livro” disponível no site do projeto (https://esquecaumlivro.wordpress.com/baixe-o-marcador/). Em seguida, deve deixar um livro em algum lugar público com o marcador. O livro “esquecido” deve ser fotografado e a imagem deve ser enviada para o site do projeto, com a legenda, nome do livro, autor e local onde o livro foi deixado. A Editora da Unicamp também publicará fotografias de livros “esquecidos”. Quem quiser compartilhar sua foto, poderá enviá-la para o e-mail editoradaunicamp@gmail.com.
Projeto
O projeto foi idealizado pelo jornalista Felipe Brandão, que se inspirou no conceito de “book crossing”, o qual propõe o compartilhamento de livros esquecidos em lugares públicos. A primeira edição da campanha ocorreu em 2013 na cidade de São Paulo e se repete todos os anos, sempre no dia 25 de julho. Desde então, vários leitores e entusiastas, de várias partes do Brasil passaram a colaborar com o projeto, deixando livros pela cidade.
A iniciativa da editora agradou a população que pretende participar do projeto. O gerente de loja, Nicolas Belt, de 40 anos, é formado em letras e contou que conhece projetos semelhantes a este. “É uma ótima ideia incentivar a leitura, ainda mais com essa geração da internet, que não tem a cultura de ler um livro físico”, disse.
A cozinheira Marlene dos Santos, de 44 anos, afirmou que se tiver a oportunidade pretende participar do projeto. “Adoro ler, acho que ler é muito importante. Gosto de conhecer histórias baseadas em fatos reais, a Bíblia e revistas. Mas faz três meses que estou com a vista ruim, e ler tá me fazendo falta”, comentou.
Dados
De acordo com a 4ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Ibope sob encomenda do Instituto Pró-Livro (IPL), divulgada no ano passado, a leitura é um hábito de 56% da população brasileira. Contudo, isso também significa que 44% da população não lê.
Para ser considerado um leitor, pela metodologia do estudo, é necessário ter lido ao menos um livro nos últimos três meses. Ao todo, foram ouvidas 5 mil pessoas em todas as regiões do País. Em relação aos dois últimos estudos feitos pela organização, o percentual de leitores variou pouco, eram 55% em 2007, e 50% em 2011.
Em média, os entrevistados disseram ter lido 2,54 livros nos últimos três meses, sendo 1,06 do começo ao fim. Entre os que têm o hábito da leitura, a média é de 4,54 livros no período, com 1,91 inteiro.
Tags: correio

Escrito por:

Shana Pereira