Grupo de amigos de Valinhos faz sucesso em podcastEntretenimento
Publicidade

Publicado 16/04/2016 - 17h49 - Atualizado 16/04/2016 - 17h50

Por Vinícius Agostini

Uilian, Pedro e Cesar são amigos dê longa data: ideia surgiu de discussões variadas que o trio tinha na escola

Carlos Sousa Ramos

Uilian, Pedro e Cesar são amigos dê longa data: ideia surgiu de discussões variadas que o trio tinha na escola

Áudio, conhecimento e inovação. Essas palavras definem a iniciativa de três jovens valinhenses que enxergaram na ferramenta podcast um importante aliado para a discussão de ideias de variados temas, abordando assuntos de forma bem humorada e informativa. Com apenas três meses no ar, o projeto Veja Bem Podcast alcançou o top 10 dentro da categoria educacional no iTunes, ficando em 2º lugar entre os mais populares no mundo.
Cesar Barbosa, de 24 anos, formado em economia e administração pela Universidade de Michigan, nos EUA, é o idealizador do projeto, ao lado dos amigos Pedro Henrique Marciano e Uiliam Murici, ambos com 24 anos.
Barbosa conta que conheceu os amigos ainda na época da escola e que eles tinham o hábito de discutir sobre os mais variados assuntos. “Discutíamos muito na escola. Com o tempo começamos a aprofundar os debates, mas no fim cada um fez uma coisa diferente em termos acadêmicos e profissionais, mas mesmo assim nunca perdemos o contato”, diz.
Em 2011, quando tinha 16 anos, Barbosa saiu do Brasil para terminhar o ensino médio na Costa Rica e se graduar nos EUA, e percebeu que a cultura do podcast era muito forte fora do País e acreditou que poderia fazer o mesmo no Brasil. “No Exterior, em especial na Europa e EUA, as pessoas gostam e preferem os podcasts. Sempre me perguntei se um dia faria o meu porque achava uma proposta legal. A barreira para entrar nesse mundo é muito baixa. Você precisa de um microfone e uma pauta, só”, explica.
Quando retornou ao Brasil, o estudante reencontrou os amigos com quem tanto conversava na época de escola e colocou a ideia em prática. “Fizemos um dinâmica para conhecer outros projetos de podcasts e concordamos em tentar.”
Barbosa diz que a primeira gravação foi feita com um celular fixado em um vaso de planta. Ele enviou para os amigos mais próximos que logo aprovaram a ideia. “Depois dos elogios dos colegas começamos a pesquisar e entender mais sobre edição, criação de site e também sobre como disponibilizar os áudios no iTunes. Organicamente — sem patrocínios — o negócio foi crescendo”, afirma.
Os amigos decidiram então que seria melhor segmentar os assuntos em três categorias: o “Veja Bem Menos”, voltado para assuntos discutidos de forma rápida e sem restrições no vocabulário, com tempo de cinco a 15 minutos; o “Veja Bem”, para o público que deseja ouvir uma discussão de perguntas populares, feitas no site Quora.com; e o “Veja Bem Mais”, com tópicos polêmicos e delicados discutidos em um formato que varia entre debate e entrevista, visando explorar a fundo os fundamentos de cada posição.
Nos áudios já disponibilizados, os três jovens discutem assuntos como imigração, a atual crise de refugiados, posse de armas e até o que faz com que uma pessoa seja percebida como “chata”.Para disponibilizar os podcasts, o grupo de amigos usa uma plataforma para hospedar o áudio. A partir daí, essa plataforma fornece um link para que eles compartilhem com o iTunes e outros aplicativos disponíveis também no sistema operacional Android.
Além disso, eles possuem um site (vejabempodcast.com.br) onde disponibilizam os áudios. “Escolhemos ter um site porque o intuito é ampliar nosso negócio. A página atualmente tem uma loja com artigos nossos e uma seção contando um pouco sobre os integrantes. Com isso, o trabalho fica mais profissional”, explica.
Barbosa diz que, com o tempo, o público deve aumentar e ele pretende buscar patrocínios. O idealizador se diz surpreso com a quantidade de acessos que vem recebendo, mas afirma que isso se deve ao fato do podcast ter alcançado o top 10 dentro da categoria educacional do iTunes, ficando em 2º lugar. “Já recebemos mensagens de brasileiros na Holanda e nos EUA elogiando nosso trabalho.”
Um dos fãs do trabalho dos jovens é Davi de Freitas Vasconcelos, de 24 anos, estudante de economia. Ele explica que se interessou pelos podcasts pela forma com que os jovens abordam os temas. “Depois de ver que eles estavam no 2ºlugar no ranking do iTunes, comecei a ouvir e adorei. É um tipo diferente de discussão, com análises que possibilitam ao ouvinte formar uma opinião”, conclui.
 

Escrito por:

Vinícius Agostini