Disco de 94 de banda campineira será relançadoEntretenimento
Publicidade

Publicado 29/03/2016 - 19h53 - Atualizado 30/03/2016 - 13h11

Por Fábio Trindade

A banda Face Ácida nos anos 90, época em que

Divulgação

A banda Face Ácida nos anos 90, época em que "tudo era rock", diz o guitarrista Leonardo Bregula (à dir.)

Lá no início da década de 90, a banda campineira de rock Face Ácida — assim como a maioria dos grupos musicais da época — queria gravar um disco. Material, totalmente autoral, o grupo tinha, o problema era o preço para colocar o sonho em prática: caro demais para bolsos independentes. Pensando nisso, o primeiro estúdio da cidade a fazer gravações digitais abriu um consórcio em que 12 bandas faziam pagamentos mensais por um ano e, a cada mês, uma delas entrava em estúdio.
“Foi uma sacada do dono, que permitiu que nós conseguíssemos fazer o nosso CD, com oito faixas, em 1994”, lembra Leonardo Bregula, guitarrista e fundador da banda. O trabalho logo ganhou a noite campineira, colocando a Face Ácida entre os destaques do período, com shows por toda a região. “Fizemos muitas apresentações, era uma época ótima. Passamos a vender o CD nos shows, mas ficou por aí. Depois de um tempo, o trabalho ficou praticamente esquecido”, completa.
Capa do LP da banda Face Ácida, de 1994, que ganha nova edição em vinil
Para surpresa de Leonardo e dos demais integrantes da banda, a verdade é que o CD não ficou tão esquecido assim. Há cerca de três anos, eles foram procurados pelo produtor Fabricio Bizu com um contrato inusitado: ele queria resgatar aquele material master de 1994 e relançá-lo em vinil. “Ele era fã da banda na época e veio com a essa ideia, disse que faria uma nova mixagem e masterização, como parte de um projeto de produção dele. Eu achei a ideia um máximo. Quando que eu poderia sonhar que a banda teria um vinil? Nunca”, confessa o guitarrista.
Fabrício precisou de autorização de todos os membros da banda que participaram, de alguma forma, da gravação de 1994, e isso incluía duas formações diferentes do grupo. “Dois integrantes já morreram, mas a família concordou com a proposta e deu tudo certo”, explica o produtor.
Deu mesmo. O CD de 1994 gravado por consórcio virou um disco de vinil LP 180 gramas produzido na Polysom. “Masterizei todas as faixas nos Estados Unidos para deixar com qualidade de mercado, porque eu queria que eles tivessem o devido reconhecimento. O disco estava perdido há 22 anos, e como também sou colecionador e pesquisador de material do tipo, fui atrás para resgatar a história dessa banda que foi um marco na cidade”, diz Fabrício.
O resultado final será apresentado neste sábado, às 19h, no auditório da Livraria Cultura do Shopping Iguatemi Campinas, com participação de alguns integrantes da banda, que relembrarão histórias do cenário musical campineiro da década de 90. “Teremos uma vitrola bacana para tocar o disco e também falaremos um pouco de produção musical. Vai ser um encontro nostálgico”, afirma o produtor.
Foram feitas 300 cópias do vinil, mas elas não estarão à venda no evento, podendo ser adquiridas apenas pelo site www.psicobr.com.br/ . O valor do vinil + CD é R$ 125,00, com frete grátis.
Leonardo já está com a sua cópia e admite: “me deu uma p*** vontade de voltar a tocar. Estou até pensando em montar uma banda novamente. Quem sabe acontece? Mas será uma pegada diferente. Na década de 90, festas de formatura, bares, shows, tudo era rock. Hoje em dia, o sertanejo é quem comanda. Então não daria mais para seguir aquela nossa linha adolescente, mesmo assim, seria muito bom”, diz.
 
TRAJETÓRIA
A banda Face Ácida surgiu em 1992, tendo como fundadores o guitarrista Leonardo Bregula, o baterista Gustavo Conrado e o baixista e cantor Tom, apelido de Antonio Alves Nogueira Neto, já morto. Eles fizeram a música Agora ou Nunca, que faz parte do disco de 1994. Porém, na época, houve uma reformulação na banda, foram feitas novas músicas e entraram para o time guitarrista Ricardo Moura, conhecido como Tcherpa, o baixista Maurício Padovani, que assinava como Leite e também já morreu, e o vocalista Rogério Villanova, o Jabolinha. A formação durou alguns anos, mas a banda não está mais na ativa.
AGENDE-SE
O quê: Apresentação do disco Face Ácida, de 1994
Quando: Sábado, às 19h
Onde: Livraria Cultura (Shopping Iguatemi Campinas, Av. Iguatemi, 777, Vila Brandina, fone: 3751-4033)
Quanto: Entrada franca.
Obs.: O pacote (vinil + CD) custa R$ 125,00 e é vendido pelo site psicobr.com.br

Escrito por:

Fábio Trindade